quinta-feira, 14 de novembro de 2013

PostEspecial: Pesquisa indica que se lê mais no interior de MG

Média de leitura no interior de MG é o dobro do índice nacional, diz pesquisa  
A média nas oito cidades onde foram feitas as entrevistas é de 6,55 livros lidos por pessoa nos últimos 12 meses, contra 3,6 no país. Mais da metade das pessoas abordadas afirmou que lê livros, bíblia, revistas, internet e de jornais



 

Uma pesquisa inédita sobre os índices de leitura no interior de Minas Gerais, divulgada nesta terça-feira pelo 2° Salão do Livro Infantil e Juvenil, revela que a média de livros lidos nos municípios do interior está acima da nacional. O índice é de 6,55 títulos por pessoa nos últimos 12 meses, contra 3,6 no Brasil. Poços de Caldas está no topo da lista.
Ao todo, foram entrevistadas 1.100 pessoas, entre 10 de março e 20 de junho deste ano, nas cidades polo do interior do estado, incluindo Teófilo Otoni, na Região do Vale do Jequitinhonha, Poços de Caldas, no Sul de Minas, Juiz de Fora, na Zona da Mata, Uberlândia, no Triângulo Mineiro, Divinópolis, na Região Centro-Oeste de Minas, Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, Patos de Minas, no Alto Paranaíba, e Montes Claros, na Região Norte de Minas.
A pesquisa, que avaliou hábitos de leitura, materiais, equipamentos culturais utilizados e frequência, aponta que a média de livros lidos, no último ano, nas oito cidades mineiras abordadas, é praticamente o dobro dos índices de leitura do país e de Minas no mesmo período.
O presidente da Câmara Mineira do Livro, Zulmar Wernke, conta que as oportunidades de leitura no interior não ficam abaixo dos grandes centros urbanos. "Na capital, o poder público investe na formacão profissional das pessoas. Mas, no interior, elas têm condições melhores ou iguais de desenvolvimento da leitura", diz.
Os dados apontaram ainda que a cidade que apresenta os melhores índices de leitura é Poços de Caldas, com 9,78. A população que menos lê, dentre as cidades pesquisadas, é a de Patos de Minas, com média de 4,71. Entre as obras mais procuradas estão os livros didáticos e universitários, a Bíblia e literatura em geral. Os assuntos com menos demanda são culinária, artesanato, história em quadrinhos, poesia, história, economia, política, filosofia e ciências sociais.
Sobre o suporte usado para as leituras, mais da metade da população representa leitores de livros, da bíblia, de revistas, de internet e de jornais. Além disso, cerca de 48 % da população lê textos escolares e, desse total, quase 12% dizem ler em formato eletrônico.
O estudo utilizou metodologia de pesquisa sobre o comportamento do leitor desenvolvida pelo Centro Regional para o Fomento do Livro na América Latina e no Caribe (CERLALC), entidade ligada à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).Em Belo Horizonte, o levantamento será feito nos próximos meses.

Fonte: Estado de Minas

Publicação: 13/08/2013 12:37 Atualização: 14/08/2013 09:52

Nenhum comentário:

Se você gostou deste post, pode ser que goste também destes...